Leonardo Martins - Mentalista

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Conan Doyle e Fadas

Em 1917 duas adolescentes em Yorkshire tiraram fotografias de fadas em seu jardim. Elsie Wright (16 anos) e sua prima Frances Griffiths (10 anos) usaram uma simples câmera, e afirmaram que não possuiam qualquer conhecimento de fotografia ou truques fotográficos.


Em 1920, Conan Doyle (criador de Sherlock Holmes) recebeu uma carta de uma amiga espírita, Felicia Scatcherd, que informava que havia algumas fotografias que comprovariam a existência de fadas em Yorkshire. Conan Doyle pediu ao seu amigo Edward Gardner para o acompanhar nesta investigação. Gardner logo teve a posse dessas várias fotos que mostravam pequenas figuras femininas com asas transparentes. Os fotógrafos tinham sido duas meninas, Elsie Wright e sua prima, Frances Griffiths. Elas alegaram que tinham visto as fadas em uma ocasião anterior e voltaram com uma câmera para fotografar. Elas haviam sido tiradas em julho e setembro de 1917, perto da aldeia de Yorkshire Cottingley.

As duas primas disseram ter visto as fadas em torno de um córrego. Na época, elas alegaram que não tinham a intenção de buscar fama ou notoriedade. Elsie tinha pego emprestado a câmera de seu pai para tirar fotos de Frances e as fadas apareceram.


Especialistas em fotografia foram consultados, e declararam que nenhum dos negativos tinham sido violados, não houve evidência de dupla exposição, e que o efeito tremido de uma das fadas em algumas das fotografias indicava que as fadas se moviam durante a exposição de 1 / 50 ou 1/100 segundos. Eles sequer cogitaram a mais simples explicação: as fadas eram simples papel cut-outs presos ao mato, balançando levemente na brisa. Doyle e outros crédulos também não estavam preocupados com o fato de que nunca as asas das fadas mostrava algum movimento borrado devido ao movimento, mesmo na imagem da fada parada calmamente, suspensa no ar. (Aparentemente asas de fada não funcionam como as asas de beija-flor.)

Os espiritualistas, e outros que preferem um mundo de magia e fantasia aceitaram as fotos como prova genuína da existência de fadas. Três anos mais tarde, as meninas produziram mais três fotos. As meninas disseram que só podiam fotografar as fadas quando ninguém estivesse olhando. Ninguém mais poderia fotografar as fadas. Houve apenas uma testemunha independente, Geoffrey L. Hodson, um escritor Teosofista, que alegou ver as fadas, e confirmou as observações das meninas "em todos os detalhes". Arthur Conan Doyle não apenas aceitou estas fotos como genuínas, ele até escreveu dois panfletos e um livro que atesta a autenticidade destas fotografias, incluindo um apêndice sobre o folclore das fadas. Seu livro, A Vinda das Fadas, ainda é publicado, e algumas pessoas ainda acreditam que as fotos são autênticas. Livros de Doyle são uma leitura muito interessante até hoje.


Algumas pessoas pensaram que Conan Doyle estava louco, mas ele defendeu a existência das fadas com toda a ênfase que se pode permitir. Ele contrariava os argumentos dos descrentes eloquentemente.

Ao longo dos anos, o mistério persistiu. Apenas alguns obstinados acreditaram que as fotos fossem de fadas reais, mas o mistério dos detalhes de como (e por que) elas foram feitas continuou a fascinar estudantes sérios de fraudes e enganos. Quando as meninas (já adultas) foram entrevistadas, suas respostas foram evasivas. Em uma entrevista de transmissão da BBC em 1975 Elsie disse: "Eu já lhe disse que elas são fotografias de invenções de nossa imaginação e é isso que eu estou afirmando."

Em 1977, Fred Gettings tropeçou em evidência importante enquanto trabalhava em um estudo das primeiras ilustrações do século XIX em um livro. Ele achou ilustrações feitas por Claude A. Shepperson em 1915, em um o livro infantil, que as meninas poderiam facilmente ter possuído, e que eram, sem dúvida, os modelos para as fadas que apareceram nas fotos.

Um fato curioso é que, neste livro, uma compilação de contos e poemas para crianças de vários autores, há uma história, "Bimbashi Joyce" de Arthur Conan Doyle! Certamente, ele recebeu uma cópia do editor. Se Doyle tinha notado esta foto, e se ele tinha o tipo de percepção que ele atribuiu a Sherlock Holmes, ele poderia ter concluído que as fotografias de Cottingley eram falsificações. Mas, talvez não. Os crédulos são bons em ver o que eles acreditam, e não bons em ver coisas que desafiam suas crenças. Ou, talvez, a estreita correspondência entre os desenhos e fotos é uma coincidência sobrenatural psíquica.

Elsie e Frances e o Sr. Hodson ainda estavam vivendo em 1977, e continuaram a manter a sua história, afirmando a autenticidade das fadas e das fotos. Então, em 1982, as meninas admitiram, em entrevistas a Joe Cooper, que tinham falsificado as quatro primeiras fotos.

As meninas haviam usado recortes de papel de desenhos de fadas. Elsie tinha habilidade artística, e até mesmo tinha trabalhado por alguns meses com fotografia e uma loja de retoque fotográfico. Mas as meninas provavelmente não fizeram retoques nas fotos. Usaram apenas os mais simples dos meios: apenas desenhos recortados de fadas presos no mato,foi o necessário para enganar mentes crédulas e predispostas como as de Arthur Conan Doyle, Geoffrey Hodson, e Edward Gardner.

Na questão da credulidade de Conan Doyle, Gilbert Chesterton disse:

“Há muito tempo pareceu-me que a mentalidade de Sir Arthur é muito mais a de Watson do que a de Holmes.”

Fontes:
Arthur Conan Doyle, Spiritualism, and Fairies
The Haunted Museum
The Coming of the Fairies
Para receber artigos como este em seu Facebook, é só curtir a minha página

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...