Leonardo Martins - Mentalista

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

The Discoverie of Witchcraft


De autoria de Reginald Scot (c. 1538-1599), um juiz de paz em Kent, Inglaterra. O livro Discoverie of Witchcraft foi publicado pela primeira vez em Londres, em 1584. Foi provavelmente o primeiro livro de mágica escrito em lingua inglesa. 

Em 1500 a caça às bruxas varriam a Europa continental e a Escócia, e logo submergindo na Inglaterra após a coroação do fanático Rei James I, em 1603.

O trabalho de Scot foi concebido como um argumento cético acerca da existência de bruxas, e também como uma reação e um protesto contra a crescente onda de perseguição de inocentes por um clero supersticioso. Scot acreditava que o julgamento dos acusados de bruxaria era irracional e anti-cristão, e ele afirmava ser a Igreja Romana responsável. Todas as cópias obtidas eram queimadas sob a ordem de James I.

O livro é uma exposição sobre a bruxaria medieval. Ele contém uma pequena seção, escrito na intenção de mostrar como o público era enganado por charlatões. O livro se tornou a base para muitos dos livros sobre truques de mágica que apareceram ao longo dos séculos seguintes.

O Discoverie of Witchcraft foi escrito no século 16 no Inglês Elizabethano, e é preenchido com ortografia arcaica e fraseado, juntamente com expressões obsoletas comum naqueles tempos. As primeiras peças de Shakespeare surgiram seis anos após a publicação do trabalho de Scot, e o Inglês é semelhante.

É um estudo meticulosamente bem pesquisado sobre a prática de feitiçaria, que também toca em astrologia, a alquimia, a adivinhação, e muito mais. O texto apresenta evidências lógicas das bruxas como auto-enganos ou fraude.

O trabalho completo, abrangendo temas como: encantos; os nomes dos demônios, anjos e outras "palavras de poder"; feitiços, rituais, sabbats; magias bíblicas e egípcias, e mais, foi pesquisado com integridade acadêmica de modo que o Discoverie continua a ser uma muito citada fonte primária para os interessados ​​nas ciências ocultas, de crentes ou não.

Nas seções do livro que trata de prestidigitação, Scot foi guiado por  por John Cautares, um artista do século 16 de prestidigitação francês que ganhava a vida como operário e residia em Londres. As seções dedicadas a truques de mágica contêm muitos efeitos ainda vistos hoje, mas inclui muito pouca instrução sobre o manuseio dos sleights (movimentos de mão).

Os capítulos foram escritos com muito respeito a arte da prestidigitação. Scot enfatiza que ele considera um entretenimento, e deveria ser considerado como um desenvolvimento da sociedade e seus cidadãos, e não o trabalho do demônio ou seus aliados.


Artigo baseado neste site.
Para receber artigos como este em seu facebook, é só curtir a minha página

5 comentários:

Lah disse...

Faz tempo que estuda essa área? Acho fascinante o mistério envolto dos acontecimentos da idade média, principalmente quando o assunto é a área cultural e religiosa.Esse livro deve ser magnífico.Só existe a fonte ou há cópias também?

Leonardo Martins disse...

Querida Lah,

Sou um tipo de mágico, e me interesso por esse tipo de história. Você pode conseguir facilmente o livro por 2 fontes:

Versão completa em Inglês Arcaico em:
http://www.archive.org/details/discoverieofwitc00scot

Numa versão em Inglês atual, mas incompleta:

http://darkbooks.org/pp.php?v=970587132

Um forte abraço!

Lah disse...

Obrigada, Leonardo.
Mentalista? Fascinante. Confesso não conhecer nenhum pessoalmente. Tenho vontade de sanar minha curiosidade quanto a mágica. Eu li um pouco sobre mentalismo, mas adoraria saber realmente como é.

Leonardo Soares disse...

Aqui vai uma visão geral:

http://www.leonardomartins.net/mentalismo.html

Lah disse...

Obrigada!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...